Casa do Castedo

No topo do monte, do enorme terraço debruçado sobre as vinhas, avista-se o rio Douro, no seu fluir lento e inexorável, por entre as ondulações esculpidas na paisagem. As vinhas reflectem o passar dos dias em fulgurantes alterações de cor. Da terra, soltam-se aromas a esteva, rosmaninho e xisto aquecido pelo sol. É uma paisagem que descansa sobre a solidez dos muros de pedra que o homem constrói e reconstrói vezes sem conta. Que se multiplica e se desdobra em tons de ouro e cobre. A perder de vista…

ServiçoDesign e DecoraçãoLocalAlijóAno2018

Foram estes os elementos que tentámos trazer para o projecto desta nova habitação. A serenidade da paisagem e a vontade do homem, que se traduzem na sobriedade e pureza das linhas; a riqueza cromática expressa nos tons da terra, do xisto e da vinha outonal, com apontamentos de verde e púrpura. A esta paleta de cores de tons terrosos e outonais, juntámos os materiais óbvios: a pedra, o ferro e a madeira maciça. Com ela, no tom escuro da sucupira, criámos volumes que dividem o espaço e definem áreas, como na sala comum, onde a madeira se aliou ao xisto negro para envolver a grande lareira de três faces.

No segundo piso, voltámos à sucupira para construir um elemento com dupla função. Uma série de caixotes de madeira suportados por uma estrutura de ferro negro, desenham o guarda-corpos do mezanino que é, simultaneamente, uma biblioteca em progresso.

No grande átrio de duplo pé-direito encimado por uma claraboia, de novo a sucupira, agora formando um volume que oculta um lavabo especial. Aqui, quisemos prestar homenagem à região duriense, numa dupla linguagem de modernidade e ruralidade. Nas paredes feitas em microcimento foram desenhadas as linhas de altimetria, as construções e a toponímia da região, numa impressão à escala da carta militar n.º116. O lavatório foi feito com uma antiga pia de pedra, originalmente usada para dar de beber aos animais.

O conforto e uma certa elegância despretensiosa, deram o mote a toda a decoração, que se quis adequada a uma utilização como casa de férias, tanto dos proprietários, como dos turistas que lá ficarão alojados.

Esta é uma casa invadida pela paisagem que entra pelas enormes superfícies envidraçadas, convidando a relaxar e usufruir num ambiente requintado e aprazível. Ou a ficar cá fora, aproveitando os dias de sol na piscina ou as noites de Verão sob um céu estrelado, à volta da lareira de exterior desenhada para o convívio.